Uma ameaça ao tecido social e familiar

Milhares de indivíduos (com suas histórias desconhecidas) sofreram da dor emocional e psicológica infligida pelas Testemunhas de Jeová, devido à ruptura familiar. A maioria das pessoas só estão familiarizadas com as Testemunhas (TJs) quando são acordadas em um fim de semana por zelosos recrutas tentando convertê-las. Mas há muito mais a saber; a Sociedade Torre de Vigia é um movimento religioso americano, que neste século, já afetou adversamente famílias a nível mundial, enquanto corroendo a coerência e unidade familiar, uma vez que um membro da família comece a fase de doutrinação e o processo de recrutamento.

A fase de recrutamento é um estudo sistemático das verdades teológicas subjetivas da igreja, que com o tempo se tornam a única verdade aceitável. Nas primeiras fases da doutrinação, é dito ao novo recruta que espere por oposição familiar. Vários textos das escrituras são usados para apoiar o argumento deles. O que a pessoa não percebe ou desconfia, é que os laços familiares começaram a ser cortados.

Esta programação sutil é terminada pela criação de convicções que agem como filtros mentais, que conduzem para uma percepção caolha. Isto é feito pelo uso de uma linguagem hipnótica, em que só mesmo um lingüista qualificado poderia descobrir a programação sutil que é feita por nomenclaturas (desenvolvimento de nomes ou clichês para certas coisas) e generalizações, que são servidas como alimento ao indivíduo que não desconfia. Uma vez que os filtros estejam plantados, a pessoa doutrinada, começa a encarar a si próprio, a família, e outros por um ponto de vista extremista. Nesta fase tudo é visto como preto ou branco, certo ou errado, “nós contra eles,” Deus ou Satanás. Neste momento, qualquer desaprovação familiar é vista como um estratagema satânico para arruinar sua fé.

ISOLAMENTO E ALIENAÇÃO

Eventualmente, o novo recruta perde sua habilidade de ser objetivo. Já não pode mais olhar suas ações e comentários num contexto maior, da estrutura social e familiar. Ele é completamente revestido pela ordem do dia da organização. O que acontece agora é que a família de não-TJs, está rotulada como “os parentes mundanos.” Com este rótulo a família é desumanizada em pessoas “preparadas para a destruição”, a menos que eles aceitem a doutrina e o modo de vida das Testemunhas.

O novo TJ é levado a crer que ele agora faz parte de uma família mundial, que será a única a sobreviver em uma cataclísmica destruição da humanidade. O novo TJ é mantido agora em um modo de vida arregimentado, onde não sobra nem tempo ou motivação para visitas ou reuniões de família, e quando visitam, são ensinados a usar isto com propósitos de conversão. Claro que, esta ofensiva é freqüentemente irritante para os parentes não-TJs. Isto serve para validar ao TJ que Satanás está cegando sua família. Muitos ex-TJs sofreram da dor emocional e do remorso de culpa, ao perceber que eles cortaram todos os laços familiares, ao ponto de nem mesmo assistir a funerais ou eventos de família, que eles teriam participado, antes de se tornar uma Testemunha de Jeová.

A SOLIDÃO DE SAIR

O real problema começa quando algo acontece, fazendo a TJ querer deixar o movimento, ou quando ele é expulso. É então que a pessoa se acha isolada dos amigos anteriores e dos membros familiares. Isto é devido a prática extremista de isolamento, comum na religião das Testemunhas de Jeová. Não há nenhum modo honrado de deixar o movimento. Na fase de doutrinação, não é dito ao novo recruta que este é um ingresso de mão única e um modo arregimentado de vida.

Muitos ex-TJs informaram da dificuldade de reintegração com a família anterior, amigos e a comunidade. É como se eles estivessem em uma urdidura temporal, em que foram reféns sob controle de um alto grupo religioso. Em anos recentes, muitos perceberam intuitivamente que o que lhes foi contado pelo corpo governante é direcionado e falso, e que eles têm seguido freqüentemente os comandos autoritários e irreais de uma liderança nebulosa, chamada “a Sociedade.”

As TJs tiveram suas vidas reguladas ao ponto de freqüentemente terem que ler em páginas impressas pela Sociedade, sobre os procedimentos de como controlar conflitos familiares. Eu conheço um ancião que ligou diretamente para Betel em Nova Yorque, para perguntar se a responsabilidade parental dele seria eximida, se sua rebelde filha adolescente não se submetesse às decisões dele. Um antigo amigo, que agora é um servo de circuito, me disse que a vida dele é regulada ao ponto de ser dito pela sociedade, que ele tem que passar o fio dental nos dentes depois de cada refeição. Isto mostra um sério problema de dependência total, em uma estrutura de autoridade, que mesmo distante, rege a vida individual dos membros.

Devido a recentes mudanças doutrinais dentro da igreja, alguns começaram a ter dúvidas sobre o arregimentado e legalista modo de vida, contudo, há um medo de discutir isto abertamente, pois pode conduzir a investigação e a expulsão como um “apóstata.” Alguns escolheram sair quietamente, mudando e não deixando o endereço. Recentemente, eu previamente falei com um ex-TJ ancião, que estimava que nos 12 anos em que foi um ancião presidente, uns 40% dos membros da congregação simplesmente desapareceram, sem remeter o endereço para ser localizado.

Eles estiveram por muitos anos cortados dos laços de família e amigos, que nunca aceitaram a percepção das TJ, freqüentemente extremista no modo de encarar as coisas. Eles podem ter o desejo de restabelecer os laços familiares, mas pode lhes faltar a habilidade para fazer assim. Eles podem querer procurar trabalho diferente ou metas de carreira, do que quando eram TJs, mas acham que estão agora em um mundo altamente tecnológico que passou por eles. A dicotomia é que a família de não-Testemunhas nunca os descartou totalmente do mesmo modo que o TJ se isolou da família e amigos (pensando que seria melhor para seus interesses espirituais).

Muitos desenvolveram um elevado perfil social em suas vidas dentro desta sub-cultura. Alguns escalam os degraus da autoridade que conduz a um estado especial na comunidade das TJ, para o qual muitos prefeririam se agarrar ao invés de discordar de qualquer ordem da sociedade. Muitos têm crianças e netos que eles perderiam o contato, se deixassem o movimento.

Se uma pessoa é expulsa ou decide sair devido a um conflito de consciência, perderá de repente, tudo pelo que cometeu a vida inteira. Eles perderão os amigos, a família de TJs, a reputação, e procedimentos financeiros ou emprego de Testemunha. Eu estive no movimento durante uns vinte anos, e em menos de cinco minutos meu registro inteiro de fidelidade e dedicação foi decidido como sendo de nenhuma importância, por um grupo de indivíduos que estavam seguindo as ordens de homens nos escalões superiores. Minha única infração foi discordar em um assunto secular relacionado a minha escolha de uma carreira no campo da psicolingüística. A sociedade segue um sistema purgante nos indivíduos que são livres pensadores e intelectuais, embora eles sejam alguns dos indivíduos mais devotos e dedicados, muitos deles têm gasto a maior parte de suas vidas pelos interesses da Sociedade.

A história da expulsão de Raymond Franz, um ex-membro do corpo governante, é a norma em lugar da exceção, que ilustra a arrogância, intolerância, e beligerância dos homens organizacionais que são paranóicos com qualquer interrogatório ou crítica aos ensinos da Sociedade. Esta atmosfera que atualmente existe nas TJs é semelhante a era McCarthy nos EUA, onde o temor do comunismo foi usado para controlar o pensamento e comportamento da população. Muitos se lembrarão de como vidas profissionais foram injustamente arruinadas e destruídas pelo abuso da autoridade governamental. Este tipo de Inquisição é levado a cabo contra qualquer um que discorde de qualquer ensino que provêm da Sociedade (i.e., o corpo governante).

Neste ambiente de alto controle, ninguém é imune a acusação por discordar com qualquer ensino que desce da sociedade. Alguns indivíduos que discordaram de assuntos doutrinais (conduzindo até mesmo a expulsão), que a sociedade adotou posteriormente, como verdade atual! Um caso em questão é o fim dos tempos em 1914, com a doutrina da “separação de ovelhas e cabritos” por pregar-se de porta em porta. Muitos também se lembrarão de todos os matrimônios que sofreram e foram destruídos quando a sociedade decidiu regular a vida sexual íntima dos membros.

A pratica de rejeição empregada aos membros da congregação que saem, não é menos cruel. Alguns foram levados diante de um comitê suicida, outros entraram com processos, mas os tribunais na América decidiram ficar de fora destes controversos assuntos de Igreja versus Estado. As Testemunhas de Jeová tem lutado duramente para estabelecer seus direitos no Sistema Judicial americano para a liberdade de adoração. A ironia é que muitas destas mesmas teses de liberdade, são negadas ao próprios membros dentro do ambiente fechado da Sociedade.

DESTRUIÇÃO DOS LAÇOS MATRIMONIAIS

Quando uma expulsão acontece a um casal, a probabilidade do matrimônio sobreviver é de pouco a nenhuma. Em minha própria experiência, minha esposa foi avisada fortemente pela igreja, para se divorciar. Esta extrema percepção intolerante é justificada pelas Testemunhas de Jeová, marcando com ferro a ex-TJ, como uma ameaça à vida espiritual do companheiro, que poderia conduzir no final das contas ao membro TJ que também deixe o movimento.

Enquanto este for o caso em alguns matrimônios, a maioria das pessoas querem manter a paz e reter a unidade familiar. Isto fica quase impossível, visto que é ensinado a TJ a encarar a ex-TJ como uma séria ameaça. É como estar casado com seu “inimigo espiritual.” As ex-TJs acham que a versão do amor da Sociedade é algo que se evapora instantaneamente quando são expulsos. Quando haverá uma cura e quando isto vai acabar?

A Sociedade, através de sua revista primária, a Sentinela, recentemente amoleceu sua posição quanto aos membros excomungados por pecados diferentes de “apostasia.” Na realidade, porém, a estrutura da psique na mente de uma Testemunha é de intolerância. É como reorganizar a mobília na casa, mas a estrutura ainda é a mesma. Todos os milhares de pessoas não contadas que foram dolorosamente afetadas pela Sociedade e seus representantes, sem ninguém para recorrer pelo dano feito a eles. Se esta fosse uma organização diferente da religiosa, seguramente seria premiada com muitos processos de negligência injusta às vítimas. Eu fiz algumas generalizações aqui, e naturalmente sempre haverá exceções.

Peço que avalie meus comentários e dê a eles o exato contexto para você.

© Dr. Victor Escalante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *