Por que Deus permite o sofrimento?

Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer,
ou não quer nem pode, ou quer e pode.
Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus.
Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus.
Se nem quer nem pode, é invejoso e impotente: portanto nem sequer é Deus.
Se pode e quer, que é a única coisa compatível com Deus,
donde provém então existência dos males?
Por que razão é que não os impede?

Epicuro

No capítulo 11 do livro: O que a Bíblia realmente ensina?, intitulado: Por que Deus permite o sofrimento? a Sociedade Torre de Vigia pretende responder a última questão da sentença em epigrafe do filósofo grego Epicuro.

No inicio do capitulo, consta a seguinte pergunta: Que questão surgiu no Jardim do Éden? – e mais abaixo, no tópico: Surge Uma Questão Vital, a Torre de Vigia expõe sua visão sobre a origem do mal e sofrimento no mundo, e o porque da permissão divina.

Gênesis: Na visão da Torre de Vigia

Com a pergunta: O que Satanás questionou, e como? o livro alega no parágrafo 10 que ao levar o casal a pecar, o Diabo questionou o direito de governar de Deus, chamou a Deus de mentiroso e de ser mau governante. E que isso foi um ataque à soberania de Deus, ao seu direito de governar. Sugerem a leitura de Gênesis 3:2-5. 

Nos parágrafos seguintes, do 11 ao 14 – afirmam que Deus não poderia simplesmente ter destruído o Diabo, pois foi um ataque que questionou sua moral, não seu poder, e que havia milhões de anjos observando. Diante desta situação, Deus teria então decidido entregar o governo do planeta para os homens sob a direção do Diabo, por um determinado tempo, para provarem suas alegações.

Há alguns problemas lógicos nessa explicação da Sociedade Torre de Vigia, baseado no conceito ocidental sobre Deus. As Testemunhas de Jeová deveriam refletir a respeito.

  • Porquê um Deus, sempiterno, inefável, onisciente, precisaria se vergar diante das insinuações de uma de suas criaturas?
  • Como doador da vida, Ele deveria transcender os valores de juízo pertinentes a suas criaturas, como moralidade, mentira, inabilidade para governar, e não poderia ser delimitado por tal julgamento.
  • Como divindade eterna, não poderia ser aperfeiçoado como se fosse deficiente e necessitasse de aprimoramento, necessitando conceder tempo para seus detratores provarem se são ou não melhores que Ele.
  • Como Ser absoluto, deveria pertencer a si próprio, sem necessidade de se sentir coagido ou constrangido porque milhões de seus anjos estão observando.
A ilustração apresentada no parágrafo 12, com a pergunta: Será que o aluno é mais qualificado que o professor? é simplista e reducionista como analogia, pois um Deus sempiterno e doador da vida, transcende os valores de juízo pertinentes a suas criaturas.

Teodiceia: De acordo com a Bíblia

Teodiceia vem de duas palavras gregas, que significa “a justiça de Deus”. Este tópico tratará desta questão na perspectiva dos autores da tradição bíblica.

A Bíblia disponível hoje com 66 livros, 39 do Velho e 27 do Novo Testamento, foi escrita por aproximadamente 40 autores, num período de 1.600 anos.

A Bíblia Hebraica, o Velho Testamento, não apresenta o conceito do Novo Testamento que o Diabo é o deus e governante deste mundo, e causador primário do mal e sofrimento.

Os Salmos declaram:

  • Porque o Senhor Altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra. (Salmos 47:2)
  • Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois tu possuis todas as nações. (Salmos 82:8)
  • Pois Deus é o Rei de toda a terra, cantai louvores com inteligência. (Salmos 47:7)
  • Porque o reino é do Senhor, e ele domina entre as nações. (Salmos 22:28)
  • Deus está na congregação dos poderosos; julga no meio dos deuses. (Salmos 82:1)

Os profetas Isaías, Amós, Oséias, Jeremias, proclamam em suas páginas que a razão que o povo de Deus está sofrendo é porque Deus está os castigando por seus pecados. Cometeram erros, e por isso Deus trouxe calamidades sobre eles, como miséria, fome, epidemias, desastres militares. É Deus que está fazendo isso com seu povo, para que retornem a Ele.

Então disse eu: Ah, Senhor DEUS! Verdadeiramente enganaste grandemente a este povo e a Jerusalém, dizendo: Tereis paz; pois a espada penetra-lhe até à alma. – Jeremias 4:10

Já o livro de Jó discorda desse ponto de vista. De acordo com Jó, pessoas que fazem o que Deus quer, são aquelas que as vezes sofrem. São os inocentes que sofrem.

Os livros de Daniel e Apocalipse também discordam dos profetas. Dizem que não é Deus quem causa o sofrimento, mas as forças do mal.

O livro de Provérbios discorda de todos os mencionados acima, de acordo com ele é Deus e não as forças do mal que causam o sofrimento. Segundo Provérbios, o universo está estabelecido de tal forma que o justo é recompensado e o pecador sofre.

Jó é contrariado pelo que dizem os profetas, que por sua vez são contrariados pelo que Provérbios tem a dizer. Os autores bíblicos discordam uns dos outros, há discrepâncias.

Conclusão

Hoje em dia, se fosse realizado um levantamento, a maioria das pessoas diriam que o mal e sofrimento são causados pelo “livre-arbítrio”, ainda que não explique satisfatoriamente o problema. O furação Katrina, que em 2005 vitimou 1.836 pessoas e causou 2 bilhões de dólares em prejuízos, foi causado pelo livre-arbítrio de quem?

A verdade é que a despeito das explicações teológicas, filosóficas e metafisicas, a equação proposta por Epicuro Deus bom x mundo mal é uma verdadeira aporia.

E se lhe perguntassem: Qual é a razão do sofrimento no mundo? – O que você responderia?

por: Fábio Pacheco

Nota: Recomendo a leitura do livro: O Problema com Deus – de Bart D. Ehrman. Eu tomei emprestado partes deste livro para escrever o tópico: Teodiceia: De acordo com a Bíblia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *