Tudo pelo reino!

Aqui está minha história sobre crescer como uma Testemunha de Jeová em Nova Iorque. Na verdade ela começa antes que eu nascesse. Minha avó se tornou uma Testemunha em 1957 e convenceu minha mãe para se tornar uma Testemunha em 1958. Minha mãe foi estuprada por um homem que ela conheceu que quis se casar e estava convencido que se ele tivesse sexo com ela, então ela iria querer. De qualquer maneira, minha mãe ficou grávida de mim. Ela decidiu me manter e se casar com meu pai. Minha mãe foi reprovada publicamente em frente à congregação porque ela não gritou por ajuda quando estava sendo estuprada. Até hoje, não entendo por que minha mãe ficou nesta religião depois disso.

De qualquer maneira, sem nenhuma surpresa meus pais se divorciaram quando eu estava com 3 meses. Eu não conheço meu pai. Eu acredito que ele tentou me ver quando eu tinha aproximadamente 6 anos, mas minha avó não permitiu. Eu cresci como uma Testemunha e fui batizada quando tinha 12 anos no “Ianque Stadium”, em Julho de 1973. Considerando que nós moramos na Cidade de Nova Iorque, eu visitava freqüentemente Betel e conhecia muitas, muitas pessoas de lá. George Gangas, Jim Pellechia, servos de circuito, servos de distrito, muitos deles vinham em nossa casa para o jantar.

Eu quis ir para a faculdade, mas isso era desencorajado. Eu conheci crianças que na ocasião deixaram a escola porque o fim estava chegando. Eu cresci com muitas mentiras. Eu verdadeiramente acredito que poderia ter arruinado minha vida inteira se eu não pulasse fora. Quando eu tinha aproximadamente 18 ou 19 anos, percebi que esta não era uma “boa” religião, que havia algo terrivelmente errado. Porém, para não entristecer minha mãe, eu continuei em uma religião que eu não acreditava. Eu me casei com um homem que foi criado em Nova Iorque e serviu em Betel durante dois anos. Uma vez que nos casamos, ele deixou Betel. Nós moramos em Nova Iorque.

Nosso matrimônio foi um desastre. Ele não era o homem certo para mim. Ele era abusivo. Ele se envolvia em sexo estranho e retorcido com animais, e queria me envolver nisso. Eu tive um caso com outro homem que não era uma Testemunha, só para sair deste matrimônio. Eu fui desassociada. Eu me divorciei. Embora eu soubesse em meu coração que esta religião era toda injustiça, eu ainda estava tentando para agradar minha mãe. Eu me casei com o homem que eu enganei e continuei assistindo à congregação como uma pessoa desassociada. Eu tentei conseguir que meu novo marido estudasse e viesse comigo para o Salão do Reino, mesmo sabendo que eu mesma não acreditava naquilo. Porque me amava, ele me acompanhou e começou a estudar.

 Em 1987 minha avó esteve em um acidente de carro e ela passou três dias no hospital sangrando até a morte porque não aceitaria uma transfusão de sangue. É isso loucura? Sim, e mais que isso, é principalmente triste. Eu ainda estava na ocasião desassociada. Quando eu fui para o funeral de minha avó, havia 500 Testemunhas e aproximadamente 100 não testemunhas. As 500 Testemunhas simplesmente passaram por mim e não ofereceram suas condolências porque assim lhes foi ordenado. As outras 100 não testemunhas estavam totalmente chocadas que eles pudessem vir ao funeral e não oferecer as condolências a uma neta que perdeu a avó. Eu ainda continuei comparecendo às reuniões. Em um ano fui restabelecida.

Depois de dois anos de matrimônio eu deixei meu segundo marido porque percebi finalmente que não o amava. Eu tinha me casado porque estava tentando fazer a coisa certa novamente e estava tentando agradar minha mãe. Eu juntei as forças finalmente para fazer o que era melhor para mim. Eu deixei a organização. Eu me apaixonei por um homem maravilhoso que não é uma Testemunha e nós estamos casados por 10 anos e com dois filhos lindos. Eu agradeço que não tive nenhuma criança em meus outros matrimônios. O pensamento de criar uma criança naquela religião é muito assustador para mim. Meu coração lamenta agora mesmo pelas crianças daquela religião.

Eu estou finalmente vivendo a vida que eu quis viver. Eu celebro todos os feriados. Eu não tenho nenhum medo de entrar em uma igreja para um casamento, ou um funeral, ou uma celebração. Eu acredito que ninguém tem  resposta para tudo. Nós simplesmente somos humanos. Eu espero que quem leia minha experiência fique mais forte. Você pode sair. Eu fiz isto. Você também pode.

Hamptons91

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *